Ex Deo Nascimur

Compreensão da Verdade, da Vontade e da Sabedoria gerada pelo um. Entender que mesmo na dualidade o Criador se manifesta. Compreender os nossos pontos fortes e fracos. Mergulhar na lama e confrontar a sombra. Arrependimento. Reconciliação. Nigredo. Receber o manto do Mestre. Receber o beijo de Sophia e a sua grinalda de rosas.

In Iesu Morrimur

Entender que a Luz brilha sobre as trevas, mas as trevas ainda não a compreende. Descer à "mansão dos mortos". Deixar a Luz do Cristo penetrar em nós. Transformação. Irradiar a Luz e o Amor do Cristo. Resignação. Sacrifício. Altruísmo. Reintegração Alquímica. Albedo. Receber a pérola de Sophia.

Per Spiritum Sanctum Reviviscimus

Nascer de novo pelo Espírito. Regeneração Alquímica. Christian Rosenkreuz - CRC - Kaph Resh Kaph - Consciência entre duas mãos que agarram. O trabalho Rosacruz é feito com as mãos. Construir a Morada chamada Sancti Spiritus. Deixar o Sol brilhar e iluminar todos os níveis. Realizar a Utopia e a Reforma no aqui e agora através do Schema Universalis. Pansophia. O Casamento Alquímico. Rubedo.

13502052_1188026881249804_4676564032073922909_n

1

sword-1Texto publicado originalmente no blog Os Rosacruzes no dia 31 de janeiro de 2011.

Rafal T. Prinke escreveu sobre as possíveis conexões entre Michael Sendivogius, o grande alquimista polonês, com os primeiros Rosacruzes no Hermetic Journal no.15, mas existem também alguns outros fatos que se referem aos Rosacruzes poloneses. Suas atividades parecem ter sido centradas em Gdansk (Danzig) onde uma primeira apologia rosacruciana fora publicada em 1615 - por Julius Sperber - Echo der von Gott hocherleuchteten Fraternitet, des loblichen Ordens R.C. [ Eco da fraternidade iluminada por Deus], nas mãos de Sperber, a sabedoria transmitida por Christian Rosenkreutz torna-se uma antiga doutrina secreta que se poderia remontar aos tempos bíblicos.

Essa sabedoria achava-se incorporada num ensinamento que, por intermédio de Noah (Noé) e dos patriarcas, foi depois passado a Zoroastro, aos Caldeus, aos persas, aos egípcios; voltou a ser preservada na cabala Judaica. Uma nova época começou então com Cristo, que mostrou a todos os homens o caminho da bem-aventurança, reservando, porém, a alguns poucos escolhidos o conhecimento do caminho da sabedoria divina. Mais tarde, essa sabedoria quase se perdeu, exceto em terras pagãs; mas somente poucos, muito poucos cristãos a encontraram. Tais foram, segundo Sperber, Cornelius Agrippa, Johannes Reuchlin, Marsilio Ficino, Pico della Mirandola e Aegidius Gutmann. Sperber considerava os rosa-cruzes herdeiros dessa sabedoria.

...continuar lendo "Os Rosacruzes Poloneses dos Séculos XVII e XVIII – As Perspectivas Teóricas de Rafal T. Prinke"

1

Coluna com traduções dos textos do blog do Sam Robinson. Esta é uma tradução do artigo “What is Rosicrucian Pansophy? Part 1“, realizada por Jeff Alves.

Muitos leitores têm me ouvido mencionar a palavra 'Pansofia' em conexão com os ensinamentos da Ordem Rosacruz derivados da Alemanha. Em resposta ao pedido de mais informações aqui está um breve resumo da Pansofia e sua história, o que é bastante fascinante considerando a grande influência que tem tido, apesar de poucas pessoas conhecerem sobre. Ela teve influência sobre os 'Teósofos de Sofia', a tradição Rosacruz e continua a ser uma espinha dorsal oculta de vários organismos de iniciação populares hoje.

Todavia, pergunte a qualquer um ligado ao caminho Rosacruz sobre isto e você irá obter principalmente olhares em branco (sim, o que inclui gurus auto-proclamados). Uma vez que foi uma palavra amplamente utilizada na Alemanha, as palavras "Rosacruz" e "Pansofia" já foram sinônimas. Esta é provavelmente a primeira vez que alguém falou abertamente sobre isto online, e isto tem sobrevivido, de forma pouco compreendida, mas mesmo assim continua sendo um segmento vital na Alemanha.

...continuar lendo "O que é a Pansofia Rosacruz? (Parte 1)"

f235cb8b52bf4e343e2136a4189a99a1Série O Plano Astral e o Ocultismo. Posts anteriores: 1. O Plano Astral e o Ocultismo.

A maioria dos estudantes de ocultismo tem uma única meta em mente: o manejo das forças ocultas, invisíveis. Além disso, querem chegar de forma rápida e sem perigos a aquisição de tais “poderes”. Uns querem praticar viagens astrais, outros impor a sua vontade aos outros e há ainda os que desejam soltar bolas de fogo, curar doenças até então incuráveis ou ressuscitar os mortos através de algumas palavras. Podemos ainda acrescentar ao nosso Ocultismo atual as brigas acadêmicas, as invejas individuais, os pequenos golpes baixos íntimos, as verdades absolutas e inúmeras outras paixões que agitam este meio.

As forças invisíveis existem? Será que realmente o homem pode manejar as forças ocultas da natureza ou de sua própria constituição? O manejo ocorre de forma igual para todos os homens? Basicamente, neste segunda parte da série sobre o Plano Astral, é o que iremos buscar refletir e discutir.

Existe realmente uma força invisível? Pensemos bem. Estamos sobre a Terra. Ao nosso redor temos as árvores, os vegetais, os animais, a água, o solo, o ar, dentre diversas outras coisas. No céu, os astros se movem. O Sol passa através do Zodíaco, a Lua gira à nossa volta, os planetas também seguem seu curso no céu e vemos as constelações levantarem e descerem. A Terra gira em torno do Sol e este também, com sua comitiva de planetas, em torno do centro de nossa galáxia. Além disto, temos as forças físicas e os fenômenos químicos… Enfim, há lugar para uma força invisível no Universo?

...continuar lendo "As Possibilidades Humanas – Parte 2"

astralEntre o mundo físico e os planos superiores, há um plano intermediário que tem por função receber as impressões do plano superior para realizá-las sobre a matéria, da mesma forma que a mão de um artista está encarregada de receber as impressões do cérebro e de fixá-las sobre a matéria. Este plano intermediário entre o princípio das coisas e as próprias coisas é o que chamamos de Plano Astral. Esta é uma região metafísica impossível de ser percebida apenas com a razão.

No mundo divino, as coisas são inicialmente criadas em princípio (em latência, como as ideias). Este princípio passa pelo plano psíquico (outro nome para o plano astral) e aí se manifesta em negativo, de forma que tudo que era luminoso se torna obscuro e vice-versa. Sendo assim, não temos a imagem exata do princípio, mas a modelagem desta imagem, que aparecerá em negativo. Uma vez obtida tal modelagem, a criação “no astral” está terminada. Aí então começa a criação no mundo visível. A forma astral age sobre a matéria e dá origem à sua forma física. O astral não pode mudar os tipos que faz aparecer em seu molde, pois não muda a imagem que reproduz. Para isto, seria necessário a criação de um novo molde e isto só Deus e o homem poderão fazer.

...continuar lendo "O Plano Astral e o Ocultismo – Parte 1"

11

Coluna com traduções dos textos do blog do Sam Robinson. Esta é uma tradução do artigo “Are The Rosicrucians Really Christians?” realizada por Jeff Alves.

Vamos esclarecer o assunto de uma vez por todas: São os Rosacruzes Cristãos ou Não?

Depois de anunciar a minha intenção de analisar todas as Ordens Rosacruzes no meu último post no blog, alguns objetivos também foram claramente definidos, a fim de concluir o processo. O primeiro desses objetivos é determinar a verdadeira natureza da Ordem Rosacruz. Afinal como é que alguém pode esperar avaliar claramente as diversas linhagens sem ter algum tipo de fator de medição através do qual poderá julgá-los?

Apenas para recapitular, vou analisar cada ordem, premiá-las com uma classificação por estrelas e um sistema de pontos, baseados em seus méritos, ensinamentos e espírito de comunidade. Elas estão indo para serem colocadas sob o microscópio.

JUDGEMENT-DAY (1)

Temos que retornar às fontes originais que inspiram o movimento, particularmente os manifestos Rosacruzes do início de 1600 em diante. Diversos símbolos e ordens podem provar sua validade indo para 1700, numa época em que a alquimia ainda era praticada e os ideais Rosacruzes originais ainda estavam frescos em suas mentes europeias. Hoje o que vamos focar é um argumento frequentemente aquecida, a respeito do verdadeiro núcleo dos ensinamentos Rosacruzes; são os Rosacruzes realmente cristãos?

...continuar lendo "São os Rosacruzes Realmente Cristãos?"

logocross

Giovanni Domenico Campanella, também conhecido por pseudônimo Sentimontano Squilla, nasceu em 5 de Setembro de 1568, filho de Gerônimo Campanella e de Caterina, em Stignano, Condado de Stilo, Calábria, Itália. Foi um filósofo, poeta e teólogo. Ainda jovem entra para a Ordem Dominicana, em 1582, onde adota o nome Tomaso, em homenagem a Tomás de Aquino. Mas no convento de Stilo ele estuda filosofia. Em 1590 publica livro “A Filosofia demonstrada pelos sentidos”, o que lhe rende um processo junto a sua Ordem. Desobedece a sentença e se torna um fugitivo, indo a Roma, Florença e Pádua. Cursando medicina, ele apenas o faz disfarçado de estudante espanhol. Preso pela Inquisição ainda por escrever obra “Discursos universais sobre o governo eclesiástico”, ficando detido por dois anos. Retornando a Stilo, acha-se injustiçado e acaba armando uma conspiração, mas é traído por parceiros, e assim preso novamente, e agora ameaçado por uma pena de morte. Escapa da morte se fingindo de louco, mas mesmo assim é condenado a prisão perpétua. Em cinco processo sofre assim. Fica 27 anos preso, lá escrevendo suas obras. Então, se a intenção era condenar Campanella por ter escrito coisas proibidas e defender livre pensamento, não funcionou muito o deixar detido. Influenciado em especial por Telésio. Mas escreve apologia a Galileu, ademais. Interessante é sua ligação com a magia, astrologia e conhecimentos congêneres. Fala da astrologia como ciência, na sua obra mais famosa, A Cidade do Sol. Obra que se parece a República de Platão, bem como com Utopia de Morus, ou ainda a Nova Atlântida de Francis Bacon.

...continuar lendo "Tomas Campanella e a Rosacruz"

1

Coluna com traduções dos textos do blog do Sam Robinson. Esta é uma tradução do artigo “Secret Tarot Atribuitions of the German Rosicrucians Part 1” realizada por Jeff Alves.

Há alguns meses atrás eu apresentei um pequeno vislumbre da Pansofia dos Rosacruzes. Alguns dos meus bons amigos do S.O.M.A chegaram a ver pela primeira vez uma chave importante que fiz entre duas cartas de Tarô. Ao mudar a ordem dessas duas cartas desta forma você também mudará as suas posições na Árvore da Vida e os caminhos a elas associados. As duas cartas a serem comutadas são a Estrela e a Lua.

StarMoonSwitch

A troca foi feita devido às palavras vindas de meu mentor na Alemanha, que me pediu para examinar as associações e garantir que "o casal real se reúnem em Reconciliação".

Sim, ele me deixou pendurado com apenas essa declaração e, embora frustante, ela me conduziu à chave para desvendar uma série de ricos e ainda escondidos ensinamentos que pertencem à uma visão alquímica da Kabbalah, anteriormente pouco falada fora do círculo Rosacruz que se formou em torno de Gustav Meyrink.

...continuar lendo "Secretas Atribuições do Tarot dos Rosacruzes Alemães – Parte 1"

2

Coluna com traduções dos textos do blog do Sam Robinson. Esta é uma tradução do artigo “Introducing My Rosicrucian Review” realizada por Jeff Alves.

Parte 1: Introdução à Análise das Ordens Rosacruzes

Há tantas Ordens Rosacruzes lá fora para iniciantes que está se tornando difícil escolher qual organização pode melhor atender em suas próprias buscas espirituais. Então vamos resolver este problema.

Uma das coisas que eu sempre quis fazer é avaliar apropriadamente cada uma das ordens agindo sob o manto do nome "Rosacruz". Há inúmeras ordens lá fora e algumas delas parecem concorrentes ou pelo menos compartilham semelhanças suficientes que será útil ajudar os leitores e novos buscadores a distinguir melhor entre essas excelentes fraternidades.

Então, chegou o momento de por esta ideia em ação e lançá-la como o anúncio de hoje.

**********

Fique atento a este blog para os comentários sobre as Ordens Rosacruzes

**********

...continuar lendo "Analisando as Ordens Rosacruzes"

 16 Deus, pois, fez os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; fez também as estrelas.

Comentário: O Sol que é o masculino, ou Yang, e a Lua que é feminino, ou Yin. A Lua diminuiu sua luz original e assim teve uma influência qlifótica, atraindo homens na noite para seus desejos inconscientes. A loucura é provocada por ela, a Lua, e os desejos sensuais e contatos com demônios se devem a ela, ou a sua modificação, uma vez que de início, segundo uma certa tradição, estaria unida ao Sol. Adão depois terá uma relação com esses espíritos lunares (demônio feminino Lilith). Por isso que nasceram seres espirituais negativos tanto antes de conhecer Eva, como depois, onde ficou Adão 130 anos sem ela, quando da morte de Abel. O que a tradição ocultista chama de criação de súcubos. Estrela é uma faculdade virtual.

17 E Deus os pôs no firmamento do céu para alumiar a terra,

Comentário: A expansão etérea para que se espalhasse a Inteligência (Nous).

...continuar lendo "Estudo Ocultista sobre o Gênesis – parte 2"