Pular para o conteúdo

Quem é Martinista?

É muito frequente vermos uma confusão em relação ao termo Martinismo e outros similares. Embora tratem de uma tradição com uma fonte em comum e sejam mesmo parecidos, tais conceitos podem ser bem diferentes. O objetivo desta postagem é tentar esclarecer sobre este assunto para que se evitem problemáticas relativas ao mal uso dos termos e mesmo para que possamos nos situar ao nos depararmos com eles.

A origem do problema está em nomes parecidos de Mestres do Passado, Martinez de Pasqually e Louis-Claude de Saint-Martin. Repare: "Martinez" e "Martin".

Algumas vezes Saint-Martin utilizou o termo "martinista" para se referir à sua antiga escola, os Elus-Cohen. Logo após a sua morte, notamos que alguns autores utilizam o termo martinista para se referir àqueles que leem as obras do Saint-Martin e outros para definir aqueles estudam as obras dos dois Mestres supra-citados. Após Papus, vemos tanto ambas as definições acima quanto mesmo para se definir ora os ligados à escola de Pasqually e/ou Saint-Martin ora os ligados às escolas martinistas contemporâneas.

Então, qual a melhor utilização para este termo? Uma luz inicial está na obra "Martinezismo, Willermozismo, Martinismo e Franco-Maçonaria" de Papus, onde vemos a definição dos termos Martinezismo (referindo à escola de Pasqually), Willermozismo (referindo ao Rito Escocês Retificado), Martinismo (referindo à doutrina de Saint-Martin) e Martinismo Contemporâneo (referindo à Ordem Martinista que ele, Papus, criou).

Desde então houve ainda mais confusão no meio com o advento das mais variadas escolas. Iremos abaixo propor uma definição para os termos baseada nas mais diversas literaturas para clarear de uma vez por todas ao leitor o que significa cada termo (e mesmo, talvez, apresentá-lo a novos termos).

  • Martinezismo - Refere-se à doutrina desenvolvida por Martinez de Pasqually ou mesmo aos adeptos de sua escola.
  • Willermozismo - Refere-se à doutrina disposta por Jean-Baptiste Willermoz no Rito Escocês Retificado.
  • Martinismo - Doutrina de Louis-Claude de Saint-Martin, especificamente.
  • Martinismo Contemporâneo - Segundo Papus, adaptação das doutrinas acima dispostas, conservando o seu caráter tradicional e seu espírito primitivo, consistindo sobretudo na união íntima dos sistemas de Saint-Martin (através da linhagem iniciática, já que para o próprio Papus uma escola teria que possuir uma linhagem para ser válida) e Willermoz (os grupos de iniciados e iniciadores regidos por um centro único e constituído hierarquicamente, ou seja, a estrutura de Ordem Iniciática), através de um modelo ocultista.

Martinezista então refere-se àquele que se debruça nesta doutrina ou mesmo aos próprios Elus-Cohen. Willermozista aos membros deste Rito. E martinista?

Poderíamos definir como martinista todo aquele que estuda a doutrina de Saint-Martin, mas aqueles que foram iniciados nas escolas martinistas também são assim chamados. Então surge uma nova distinção - as ordens martinistas não abordam apenas a doutrina de Louis-Claude de Saint-Martin...

Papus considera impossível encontrar o Martinismo integralmente em cada um dos membros da Ordem Martinista porque cada iniciado representa uma adaptação particular dos objetivos gerais do movimento. Também é válido ressaltar que ele não criou uma Ordem Martinista, mas sim uma Ordem dos Filósofos Desconhecidos. O seu objetivo seria preservar a Tradição Esotérica Ocidental frente à onda de orientalismo levada à Europa pelo movimento teosófico de Blavatsky. Lembremos que para ele um movimento iniciático precisa ter uma linhagem e a única que ele possuía era a de Louis-Claude de Saint-Martin (a única que possuía ou a que ele decidiu usar?). Todavia, a Ordem não se debruçava apenas nas obras do Filósofo Desconhecido, mas sim depositar e perpetuar uma visão particular do Esoterismo Ocidental chamada escola francesa, mas não se limitando a ela (haviam Lojas Martinistas dedicadas a estudos orientais, por exemplo). Os teosofistas logo começaram a chamar pejorativamente os membros do movimento criado por Papus de martinistas e "o nome pegou" - Papus então decide denominar a então Ordem dos Filósofos Desconhecidos como Ordem Martinista. Tendo em vista o que foi dito, o martinista iniciado numa Ordem Martinista se debruça sobre os mais variados assuntos e não somente sobre a obra de Louis-Claude de Saint-Martin e, já que cada iniciado representa uma adaptação particular dos objetivos gerais do movimento, as escolas tradicionais criadas por estes Livres Iniciadores irão se debruçar sobre o currículo escolhido pelo criador delas, tendo cada escola martinista um currículo e metodologia distinta.

Hoje fez-se necessárias mais algumas distinções. São elas:

  • Papusianismo - Refere-se ao Martinismo estruturado e hierarquizado desenvolvido por Papus. Como existem escolas que se debruçam apenas sobre as obras de Louis-Claude de Saint-Martin, ao contrário de Papus, as escolas que trabalham de modo similar ao do movimento martinista criado por Papus podem ser ditas escolas papusistas. Tais escolas se debruçam tanto sobre a via operativa quanto sobre a via contemplativa, podendo ter maior ênfase em uma ou outra.
  • São-Martinismo ou Saint-Martinismo - Martinismo estruturado e hierarquizado conforme Papus, mas que se debruça somente na filosofia mística de Louis-Claude de Saint-Martin e Jacob Boehme, ou seja, com teor apenas contemplativo ou cardíaco.
  • Martinismo Livre ou Independente - Grupos remanescentes da linhagem direta de Louis-Claude de Saint-Martin e que não se utilizam da estrutura que Papus criou em forma de escola iniciática por serem anteriores a ela.
  • Neo-Martinezismo - Embora findado o movimento martinezista inicial, houve tentativas de fazer-se ressurgir a Ordem dos Elus-Cohen. Por se tratar de um movimento iniciático distinto do inicial, o termo neo-martinezista é empregado para descrever as escolas oriundas destes ressurgimentos.

Para deixar ainda mais claro, podemos falar de três "gerações" de movimentos martinistas.

  1. Martinismo Antigo - Refere-se ao modelo desenvolvido pelo próprio Louis-Claude de Saint-Martin, passando suas iniciações em seu Círculo dos Íntimos, onde transmitia seu conhecimento e transmissão iniciática a escolhidos por ele e aos sucessores deste movimento que trabalham de maneira livre. Compreende o período da criação do Círculo dos Íntimos pelo Filósofo Desconhecido até a criação da Ordem Martinista por Papus.
  2. Martinismo Papusista - Refere-se ao modelo de Ordem Martinista estruturado por Papus e que possuía de fato um centro único, já que consistia de uma única Ordem. Compreende o período desde a criação da Ordem Martinista por Papus até a sua morte.
  3. Martinismo Contemporâneo - Com a morte de Papus, foi-se a figura única que unia todas as lojas que trabalhavam sobre o modelo iniciático que ele criou. Divisões começaram a serem criadas e as mais diversas escolas surgiram, todas elas tradicionais e autênticas desde que sejam fundadas por Livres Iniciadores com linhagens válidas e aos mais diversos sabores. Todo Livre Iniciador tem o direito de fundar novas ordens, bem como (embora muitos esqueçam) o dever de reconhecer o direito de outro Livre Iniciador fazer o mesmo. Pautado nisto, que foi desenvolvido pelo próprio Papus, podemos falar que as divisões são na realidade ramificações de um movimento inicial e, talvez, se não fossem por elas o movimento tinha-se findado em pouco tempo após a morte de seu criador. Compreende o período desde a morte de Papus até os dias atuais.

Percebam que nesta última distinção, ao falar de "gerações" de movimentos martinistas, prefere-se falar de Martinismo Papusiano e Martinismo Contemporâneo distintamente para ficar mais didático. Notem também que as várias palavras que apresentamos podem ser até parecidas, mas, se mal empregadas, dada a sua similaridade com outras, podem levar a significados opostos ao que elas realmente pretendem dizer.

1 comentário sobre “Quem é Martinista?

  1. Mariano Soltys

    Parece que tudo começou com esses Filósofos Desconhecidos, e que em momento posterior foi ampliado por Papus. Também que Saint Martin evitava questões de Martinesismo e tinha uma via mais "cardíaca". Sobre Willermoz parece que isso acabou mais em Rito Retificado e em Maçonaria, que em Martinismo. Ainda existe o Rito Martinista. Inumeráveis são porém as atuais ordens martinistas.

    Responder

Deixe uma resposta