Pelo que devemos orar?

Trecho do livro "Homem: Sua Verdadeira Natureza - Sobre o Homem" de Louis-Claude de Saint-Martin.

Nunca devemos pedir a Deus algo que pertença a este mundo, pois tudo aqui é contável e limitado, sendo impossível que todas tenham lucro; e se um é beneficiado com uma grande parte, outro deve, necessariamente, sofrer privações. Isto mostra o quão alheia eram as posses para o código primitivo, e que o preceito Evangélico, assim como a renúncia aos bens materiais, está intimamente ligada as próprias e fundamentais bases da verdadeira justiça.

Ao contrário, devemos clamar incessantemente por coisas do mundo real e infinito no qual nascemos, porque nada daquele mundo pode chegar ao homem sem abrir caminho para que desça sobre todos.

Nas orações recomendadas por Deus ao homem, a primeira coisa a que se deve rogar a Ele e a seu Reino, é que ele venha até nós; só após isto é que o Homem será lembrado.

O que se pede ao Homem é que de modo algum peça por coisas terrestres; o pão de cada dia de que se fala, não é nosso alimento elementar, pois o Homem tem mãos para trabalhar e a terra para cultivar, somos proibidos de cuidar das necessidades de nossos corpos, como fazem os pagãos. Este pão de cada dia, que deve ser adquirido através da doçura do semblante, é o pão da Vida, que Deus distribui às suas crianças diariamente, e o único que pode ajudar a desenvolver a nossa obra. Finalmente, pedimos o perdão de nossos pecados e para que nos afaste da tentação.

Tudo nesta oração é Espírito, tudo é caridade divina, pois seu objetivo é, de modo geral, fazer com que o pacto divino mantenha a condição em que todas têm que contribuir.

Quando é dito no Evangelho, "Busque primeiro o reino de Deus e a sua retidão, e tudo o mais lhe será dado", podemos crer que o auxílio temporal de que precisamos, de fato, não nos falta, se fixarmos nossa morada nas riquezas espirituais; mas o Evangelho vai mais longe e afirma que deveríamos primeiro buscar o reino divino, e que o reino divino, e que o reino espiritual também nos será dado; ou seja, se estabelecermos nossa morada em Deus, não haverá nada na luz e nos poderosos presentes do Espírito que nos será recusado.

Esta é a razão pela qual aqueles que buscam somente as ciências espirituais, e não vão diretamente a Deus, tomam o caminho mais longo e freqüentemente se perdem. Portanto é dito que só uma coisa é necessária, pois ela abrange todas as outras. É, de fato, uma lei indispensável que qualquer região deve abranger, administrar, possuir e dispor de tudo o que vem depois de si, ou num grau inferior a si própria. Assim, não é de se surpreender que ao alcançarmos a região divina, que esta acima de todas as outras, estaremos alcançando a supremacia sobre todas as coisas. Vamos buscar a Deus, e nada mais, se quisermos ter todas as coisas; pois nascemos da fonte do Desejo Eterno e do Espírito Universal.

Os animais e as outras coisas da Natureza também têm um desejo, mas a vontade que coroa este desejo é um tanto estranha e separada deles: por esta razão eles não precisam orar, como precisa o homem; eles só precisam agir.

Deixe uma resposta