O Martinismo Contemporâneo

Trecho da obra "Martinezismo, Willermozismo e Franco-Maçonaria" escrita por Papus. Grifos nossos.

"Foi então que os mestres do Invisível dirigiram a grande reação idealista e forneceram ao Martinismo os meios para adquirir considerável expansão. Assim como Martinez havia adaptado o Swedenborgismo ao meio no qual deveria agir, assim como Saint-Martin e Willermoz tinham também feito as alterações indispensáveis, igualmente o Martinismo contemporâneo adaptou-se ao seu meio e à sua época, conservando à Ordem seu caráter tradicional e seu espírito primitivo. Essa adaptação consistiu sobretudo na união íntima dos sistemas de Saint-Martin e Willermoz. Os iniciadores livres, criando discretamente outros Iniciadores e desenvolvendo a Ordem pela ação individual, caracterizavam o sistema de Saint-Martin. Os grupos de Iniciados e Iniciadores, regidos por um centro único e constituídos hierarquicamente, caracterizavam o Willermozismo.

Não solicitando a seus membros nenhuma cotização, nem direitos de entrada, não exigindo nenhum tributo regular de suas lojas ao Supremo Conselho, o Martinismo ficou fiel a seu espírito e às suas origens, fazendo da pobreza material sua primeira regra. Desse modo, pôde evitar as irritantes questões de dinheiro, causa dos desastres de certos ritos maçônicos contemporâneos; assim, também, pôde exigir de seus membros um trabalho intelectual elevado, criando escolas, distribuindo seus graus exclusivamente através de exame, abrindo suas portas a todos os que justificarem uma riqueza intelectual ou moral, afastando os ociosos e pedantes que pensam ser alguém apenas tendo dinheiro. O Martinismo ignora a exclusão de membros pelo não pagamento de cotização, desconhece o tronco de solidariedade. Apenas seus chefes são chamados a justificar seu título, participando, segundo seus graus, do desenvolvimento geral da Ordem.

A organização Martinista em grupos proporcionou-lhe grande dinamismo; ela foi efetuada por um modesto ocultista, fiel à conservação da tradição iniciática do Espiritualismo, caracterizada pela Trindade, e à defesa do Cristo fora de qualquer seita. São essas as características do Incógnito a quem foi confiado o depósito sagrado: Henri Delaage, que preferiu ficar fiel à sua iniciação do que fundar uma nova seita não tradicional como fez Rivail (Allan Kardec).

Delaage manteve o respeito ao segredo, nada revelando, a ponto de não falar da origem de sua iniciação em seus livros. Somente aos íntimos falava de coração aberto do Martinismo, cuja tradição lhe foi transmitida através de seu avô, o Senhor de Chaptal, iniciado pelo próprio Louis Claude de Saint-Martin.

(...) Alguns meses antes de sua morte, Delaage quis passar a alguém a semente que lhe tinham confiado, mas dela não esperava nenhum fruto. Pobre depósito, constituído por duas letras e alguns pontos, resumo dessa doutrina iniciática que iluminou as obras de Delaage. Mas o Invisível estava presente e foi ele quem se encarregou de religar as obras à sua real origem e de permitir a Delaage confiar sua semente a uma terra onde ela poderia se desenvolver.

As primeiras iniciações pessoais, sem outro ritual que essa transmissão oral de duas letras e de dois pontos, tiveram lugar entre 1884 e 1885, na rua Rochechouart (em Paris). De lá, passaram à rua de Strasbourg, onde os primeiros grupos foram criados. A primeira loja foi constituída na rua Pigalle, onde Arthur Arnould foi iniciado, começando a senda que o afastaria definitivamente do materialismo.

Essa Loja foi em seguida transferida para um apartamento da rua Tour d’Auvergne, onde as reuniões de iniciação foram freqüentemente e frutuosas sob o ponto de vista intelectual. Os cadernos surgiram entre 1887-1890 e foi mais ou menos nessa época que Stanislas de Guaita pronunciou seu belo discurso de iniciação. A partir desse momento o progresso foi bastante rápido.

O grupo Esotérico e a Livraria do Maravilhoso, tão bem criada por um bacharel em direito, membro fundador da loja, Lucien Chamuel, foram fundados em 1891. O Supremo Conselho da Ordem Martinista foi constituído, como um local reservado às reuniões e às iniciações, primeiro na rua Trevise nº 29, após na rua Bleue e, finalmente na rua Savoie.

Em seguida, a Ordem constituiu seus delegados e suas lojas, inicialmente na França e nas diversas partes da Europa; mais tarde na América, no Egito e na Ásia.

Tudo isso foi obtido sem que jamais um Martinista pagasse uma quotização qualquer, sem que jamais uma loja tivesse fornecido um tributo regular ao Supremo Conselho. Os fundadores consagraram todos os seus ganhos à sua obra e o Céu lhes recompensou dignamente pelos seus esforços.

O que diferencia particularmente a iniciação de Martinez é o aparecimento do ternário desde o primeiro grau dos Cohens. Há três colunas de cores diferentes, dominadas por uma grande luz. Esse ternário, unificado pelo quaternário, desenvolve-se harmonicamente nos demais graus. No segundo grau, a história da Queda e da Reintegração é apresentada ao discípulo. Os graus seguintes servem para afirmar essa Reconciliação da criatura com seu Criador.

Todos esses detalhes são necessários, porque os Cadernos Martinistas contemporâneos foram impressos em 1887. Somente oito anos mais tarde foi que o Supremo Conselho tomou conhecimento dos antigos catecismos das lojas lionesas, demonstrando a integralidade da Tradição desde Martinez de Pasqually.

Derivando diretamente do Iluminismo Cristão, o Martinismo acabou adotando seus próprios princípios. Eis porque as nomeações são feitas de cima para baixo: o Presidente da Ordem nomeia o Comitê Diretor, este designa os membros do Supremo Conselho, os Delegados Gerais e administra os negócios correntes. Os Delegados Gerais nomeiam os chefes das lojas, os quais designam seus oficiais e são mestres de suas lojas. Todas as funções são inspecionadas diretamente pelo Supremo Conselho, através de seus inspetores principais e de seus inspetores secretos. Eis a síntese desta organização que pôde, sem dinheiro, adquirir considerável extensão e resistir até o presente todas as tentativas de desmoralização, lançadas sucessivamente por diversas confissões e, sobretudo, pelo clericalismo ativo. A Ordem sobreviveu a tudo, mesmo às calúnias lançadas contra seus membros, considerados enviados dos Jesuítas, subordinados ao Inferno ou magos negros. Os Chefes sempre foram prevenidos em relação a essas intrigas e aconselhados sobre a maneira de evitá-las. O sucesso da Ordem vem confirmar a alta origem das instruções recebidas.

É através dos membros do Supremo Conselho que o Martinismo liga-se ao Iluminismo Cristão. A Ordem em seu conjunto é antes de tudo uma escola de cavalaria moral, que se esforça em desenvolver a espiritualidade de seus membros, pelo estudo do Mundo Invisível e de suas Leis, pelo exercício do devotamento e da assistência intelectual e pela criação em cada espírito de uma fé cada vez mais sólida, baseada na observação e na ciência. O Martinismo constitui uma cavalaria da Altruísmo, oposta à liga egoísta dos apetites materiais, uma escola onde se aprende a dar ao dinheiro o seu justo valor, não o considerando como influxo Divino; é, finalmente, um centro onde se aprende a permanecer impassível diante dos turbilhões positivos ou negativos que subvertem a Sociedade! Formando o núcleo real desta universalidade viva, que fará um dia o casamento da Ciência sem divisão com a Fé sem atributos, o Martinismo esforça-se em tornar-se digno de seu nome, criando escolas superiores de ciências metafísicas e fisiogônicas, desdenhosamente separadas do ensino clássico, sob pretexto de serem ocultas.

Os exames instituídos nessas escolas abrangem: o simbolismo de todas as tradições e de todas as iniciações; as chaves hebraicas e os primeiros elementos da língua sânscrita, permitindo aos Martinistas aprovados nos exames explicar sua tradição a muitos Franco-Maçons dos altos graus e mostrar que os descendentes dos Iluminados permaneceram dignos de sua origem.

Tal é o caráter do Martinismo. Compreende-se que é impossível encontrá-lo integralmente em cada um dos membros da Ordem, pois cada iniciado representa uma adaptação particular dos objetivos gerais. Mas esta época de ceticismo, de adoração da fortuna material e do ateísmo tem grande necessidade de uma reação francamente cristã, ligada sobretudo à ciência e independente de todos os cleros, sejam católicos ou protestantes. Em todos os países onde penetrou, o Martinismo salvou da dúvida, do desespero e do suicídio muitas almas; trouxe à compreensão do Cristo muitos espíritos que as manipulações clericais e seu objetivo de baixo interesse material, isto é, de adoração de César, tinham distanciado de toda fé. Após ter feito isso, não importa se caluniem, difamem ou excomunguem o Martinismo ou seus chefes. A Luz atravessa os vidros mesmo imundos e ilumina todas as trevas físicas, morais e intelectuais.

Um comentário sobre “O Martinismo Contemporâneo

Deixe uma resposta