Pular para o conteúdo

Image18 (2)Texto publicado originalmente no Boletim das Ciências Antigas, publicação da Sociedade das Ciências Antigas, em seu volume II, edição XIV, de junho de 2011. Você pode conferir o Boletim completo clicando aqui.

Setembro de 1947

Querida Irmã, Querido Irmão,

Quando, em janeiro de 1946, o Irmão Augustín Chaboseau me designou para sucedê-lo na Presidência da Ordem Martinista Tradicional, nomeação referendada pelos membros do Supremo Conselho, e fui chamado a ocupar este cargo, me vieram à mente algumas perguntas.

Naquela época, as afastei temporariamente para tentar por em marcha esta Ordem que, há que dizê-lo, começava de novo. Os ataques de que fui objeto, assim como o apoio moral com os quais me deparei, me levaram a perseverar naquilo que alguns quiseram chamar “uma missão”.

Desde essa data, a própria vida da O.M.T. com suas dificuldades, tanto materiais como morais, me obrigaram a reconsiderar a questão fundamental que tinha afastado, que não só é a da existência de uma Obediência, de uma Ordem Martinista, mas também da pró- pria função de Grão Mestre da Ordem.

O resultado destas reflexões é o que submeto a vossas meditações.

...continuar lendo "Carta de Demissão de Jean Chaboseau como Grão Mestre da Ordem Martinista Tradicional"

ban_mystica_aeterna

Coluna com traduções dos textos do blog do Sam Robinson. Esta é uma tradução do artigo “The Pansophy Secret Behind Western Initiation”.

Propondo Iniciação Arturiana, Maçônica e Rosacruz como Caminho Único

E Pensamentos no tocante ao Porquê um Mestre do Terceiro Grau Deve Ser um Adepto Independentemente da Tradição

Olá amigos e leitores.

O post de hoje vai deixar as nossas Avaliações Rosacruzes de lado e oferecer algo importante a considerar para todos os líderes e estudantes, como eu acredito haver melhores maneiras para podermos trabalhar em conjunto...

E eu quero dizer em todas as principais formas de iniciação Europeia.

Existem muitos tipos de Ordens e muitos delas parecem oferecer uma iniciação "diferente".

Tem Maçonaria, Rosacruz, Golden Dawn, Martinismo, mas elas são realmente únicas?

A minha convicção é que elas são apenas diferentes em tanto quanto elas divergem do maior sistema ocidental da iniciação. Você vê, desde as suas fundações há um padrão mais universal. Que a maior parte esqueceu.

É bom ter uma variedade de Ordens para escolher. Todo mundo parece ter seu próprio gosto, à procura de certas coisas que o atrai, seja deuses Egípcios, mistérios Cristãos ou Cavalaria. Mas em sua espinha dorsal, eu digo, elas não são tão diferentes, afinal.

Ou seja, não muito diferente quando visto 'corretamente' de acordo com a Pansophia.

Na verdade eu prevejo como a Pansophia pode se tornar popular nos anos futuros.

...continuar lendo "A Secreta Pansophia por trás da Iniciação Ocidental"

1

martinismoTexto do Irmão Monte Cristo, publicado originalmente em Hermanubis Martinista.

Não é raro recebermos e-mails de amados irmãos se dizendo interessados em ingressar em uma Ordem Martinista e para tanto solicitando do grupo Hermanubis razões e motivos suficientes que os convençam de realmente se afiliarem ou de receberem uma iniciação. É claro que o nosso papel não é convencer ninguém a ser ou deixar de ser Martinista, esta é uma decisão pessoal e íntima, nestes casos nós costumamos responder aos interlocutores com os 10 motivos para não serem Martinistas. Este texto reproduzimos abaixo:

1)Você está preparado e o "mestre" ainda não apareceu diante de seus olhos para lhe revelar todos os segredos do Universo? Então o Martinismo não é a sua melhor escolha. Em nossa fraternidade não há "gurus" nem lideres infalíveis, não defendemos nenhum dogma religioso. Para o Martinista o Mestre está dentro de si mesmo, pois somos todos filhos de um mesmo Pai;

...continuar lendo "10 Motivos para não ser um Martinista"

f235cb8b52bf4e343e2136a4189a99a1Série O Plano Astral e o Ocultismo. Posts anteriores: 1. O Plano Astral e o Ocultismo.

A maioria dos estudantes de ocultismo tem uma única meta em mente: o manejo das forças ocultas, invisíveis. Além disso, querem chegar de forma rápida e sem perigos a aquisição de tais “poderes”. Uns querem praticar viagens astrais, outros impor a sua vontade aos outros e há ainda os que desejam soltar bolas de fogo, curar doenças até então incuráveis ou ressuscitar os mortos através de algumas palavras. Podemos ainda acrescentar ao nosso Ocultismo atual as brigas acadêmicas, as invejas individuais, os pequenos golpes baixos íntimos, as verdades absolutas e inúmeras outras paixões que agitam este meio.

As forças invisíveis existem? Será que realmente o homem pode manejar as forças ocultas da natureza ou de sua própria constituição? O manejo ocorre de forma igual para todos os homens? Basicamente, neste segunda parte da série sobre o Plano Astral, é o que iremos buscar refletir e discutir.

Existe realmente uma força invisível? Pensemos bem. Estamos sobre a Terra. Ao nosso redor temos as árvores, os vegetais, os animais, a água, o solo, o ar, dentre diversas outras coisas. No céu, os astros se movem. O Sol passa através do Zodíaco, a Lua gira à nossa volta, os planetas também seguem seu curso no céu e vemos as constelações levantarem e descerem. A Terra gira em torno do Sol e este também, com sua comitiva de planetas, em torno do centro de nossa galáxia. Além disto, temos as forças físicas e os fenômenos químicos… Enfim, há lugar para uma força invisível no Universo?

...continuar lendo "As Possibilidades Humanas – Parte 2"

astralEntre o mundo físico e os planos superiores, há um plano intermediário que tem por função receber as impressões do plano superior para realizá-las sobre a matéria, da mesma forma que a mão de um artista está encarregada de receber as impressões do cérebro e de fixá-las sobre a matéria. Este plano intermediário entre o princípio das coisas e as próprias coisas é o que chamamos de Plano Astral. Esta é uma região metafísica impossível de ser percebida apenas com a razão.

No mundo divino, as coisas são inicialmente criadas em princípio (em latência, como as ideias). Este princípio passa pelo plano psíquico (outro nome para o plano astral) e aí se manifesta em negativo, de forma que tudo que era luminoso se torna obscuro e vice-versa. Sendo assim, não temos a imagem exata do princípio, mas a modelagem desta imagem, que aparecerá em negativo. Uma vez obtida tal modelagem, a criação “no astral” está terminada. Aí então começa a criação no mundo visível. A forma astral age sobre a matéria e dá origem à sua forma física. O astral não pode mudar os tipos que faz aparecer em seu molde, pois não muda a imagem que reproduz. Para isto, seria necessário a criação de um novo molde e isto só Deus e o homem poderão fazer.

...continuar lendo "O Plano Astral e o Ocultismo – Parte 1"

2

historia-do-cristianismoO CRISTIANISMO E O CATOLICISMO OU IGREJISMO
(Extraído do Livro: O Ministério do Homem Espírito, de Louis Claude de Saint Martin)

“A principal reprovação que apresento contra eles é que a cada passo, confundem Cristianismo com a Igreja (Catolicismo). Vejo frequentemente, célebres mestres literários atribuírem à religião obras de famosos Bispos que muitas vezes se desviam enormemente do espírito do Cristianismo. Vejo outros num momento, sustentarem a necessidade dos mistérios (sacramentos, etc.) em outro, tentarem explicá-los afirmando, mais uma vez que a demonstração de Tertuliano sobre a trindade pode ser compreendida até pelos mais simples. Vejo como se vangloriam da influência do Cristianismo na poesia, ainda que concordem em alguns casos, que a poesia se alimente do erro! Vejo como se desorientam com relação aos números rejeitando, com razão, as especulações fúteis que emergiram do abuso desta ciência, afirmando que o três não é engendrado, que segundo a expressão atribuída à Pitágoras, este número deve existir sem uma mãe, enquanto que a geração de nenhum número é mais evidente que a geração do número três; o dois é claramente sua mãe, em todas as ordens, natural, intelectual ou Divina; a diferença é que na ordem natural, esta mãe engendra a corrupção, assim como o pecado engendrou a morte; na ordem intelectual, engendra variabilidade, como podemos observar pela instabilidade de nossos pensamentos; na ordem Divina, engendra a fixidez, com é reconhecida na Unidade Universal. Em resumo, apesar do brilhante efeito que suas obras possam produzir, não consigo encontrar aquele alimento substancial que a inteligência exige, a saber, o verdadeiro espírito do Cristianismo, encontro, sim, o espírito do Catolicismo. Ora, o verdadeiro Cristianismo é anterior, não só ao Catolicismo, mas ao próprio nome Cristianismo que não é encontrado nos Evangelhos, embora o espírito deste nome esteja bem claramente expressado e consiste, de acordo com João (I.12) no poder de se tornarem filhos de Deus ; o espírito dos filhos de Deus, ou dos Apóstolos de Cristo, que acreditaram nele, é mostrado, segundo Marcos (XVI. 20) pelo Senhor agindo com eles e confirmando a Palavra por meio dos sinais que a acompanhavam.Neste ponto de vista, estar verdadeiramente no Cristianismo, seria estar unido com o Espírito do Senhor e ter completado ou consumado nossa aliança com Ele. A este respeito, o verdadeiro caráter do Cristianismo não seria tanto o de se tornar uma religião e sim o de ser um termo e ponto de repouso de todas as religiões e de todos aqueles laboriosos caminhos pelos quais a fé dos homens e suas necessidades de serem purificados de suas manchas, os obrigam a caminhar diariamente. É notável que, em todos os quatro Evangelhos, fundados no Espírito do verdadeiro Cristianismo, a palavra religião não é encontrada nem uma só vez; e nos escritos dos Apóstolos, que completaram o Novo Testamento é encontrada somente cinco vezes. A primeira vez que a palavra religião aparece é em “Atos dos Apóstolos” (XXVI.5 [da versão inglesa; também, Gl.I.13,14]) quando se fala da religião judaica. A segunda vez é em Colossenses (II.18) quando o Apóstolo casualmente condena o culto aos anjos. Na terceira e quarta vez, aparece em São Tiago (I.26,27) onde ele diz simplesmente: “Se alguém pensa ser religioso, mas não refreia a sua língua, antes se engana a si mesmo, saiba que a sua religião é vã”, e “A religião pura e sem mácula diante de Deus, nosso Pai, consiste nisto: em assistir os órfãos e as viúvas em suas tribulações e em guardar-se livre da corrupção do mundo”; estes são exemplos em que o Cristianismo parece se inclinar mais à sua sublimidade Divina ou condição de repouso, do que se revestir daquilo que costumamos chamar de religião. Portanto, há diferenças entre Cristianismo e Catolicismo: Cristianismo nada mais é do que o espírito de Jesus Cristo em sua amplitude, depois que este terapeuta Divino escalou todos os passos de sua missão, que teve início com a queda do homem, quando prometeu que a semente da mulher esmagaria a cabeça da serpente. O Cristianismo é o complemento da pregação de Melchisedek; é a alma do Evangelho; o Cristianismo faz com que as águas vivas, de que as nações têm tanta sede, circulem no Evangelho. O Catolicismo (a Igreja), ao qual pertence o título de religião, é uma espécie de esforço e tentativa de se chegar ao Cristianismo. O Cristianismo é a religião da emancipação e da liberdade, o Catolicismo é apenas o seminário do Cristianismo, a região das regras e disciplina para o neófito. O Cristianismo enche toda a terra com o Espírito de Deus. O Catolicismo enche apenas uma parte do globo embora se intitule universal.

...continuar lendo "Cristianismo e Igrejismo"

1

Coluna com traduções dos textos do blog do Sam Robinson. Esta é uma tradução do artigo “Secret Tarot Atribuitions of the German Rosicrucians Part 1” realizada por Jeff Alves.

Há alguns meses atrás eu apresentei um pequeno vislumbre da Pansofia dos Rosacruzes. Alguns dos meus bons amigos do S.O.M.A chegaram a ver pela primeira vez uma chave importante que fiz entre duas cartas de Tarô. Ao mudar a ordem dessas duas cartas desta forma você também mudará as suas posições na Árvore da Vida e os caminhos a elas associados. As duas cartas a serem comutadas são a Estrela e a Lua.

StarMoonSwitch

A troca foi feita devido às palavras vindas de meu mentor na Alemanha, que me pediu para examinar as associações e garantir que "o casal real se reúnem em Reconciliação".

Sim, ele me deixou pendurado com apenas essa declaração e, embora frustante, ela me conduziu à chave para desvendar uma série de ricos e ainda escondidos ensinamentos que pertencem à uma visão alquímica da Kabbalah, anteriormente pouco falada fora do círculo Rosacruz que se formou em torno de Gustav Meyrink.

...continuar lendo "Secretas Atribuições do Tarot dos Rosacruzes Alemães – Parte 1"

estudo-documentos-relatc3b3rios-e-legislac3a7c3a3o1. Escolher sempre um centro para onde a oração (qualquer que seja o culto) seja praticada.

2. Lembrar-se que os verdadeiros mestres não escrevem livros, e colocam a simplicidade e a humildade acima de qualquer ciência. Desconfiar dos pontífices e homens que se dizem perfeitos.

3. Não alienar jamais a liberdade por um juramento que prenda o indivíduo a um clero, mesmo que seja numa sociedade secreta. Somente Deus tem o direito de receber um juramento de obediência passiva.

4. Lembrar-se que todo poder invisível vem do Cristo, Deus vindo em carne em todos os planos, e não entrar nunca no invisível, em relação com um ser astral ou espiritual, sem confessar ao Cristo esse desejo. Não procurar “poderes” especiais; esperar que o céu nos dê, caso sejamos dignos.

5. Não julgar nunca as ações dos outros, nem condenar o próximo.

6. Ter a certeza de que o homem não é jamais abandonado pelo céu, mesmo nos momentos de negação e dúvida, e que estamos no plano físico para benefício dos outros e não nosso.

7. Lembrar-se que a purificação física pelo regime é uma infatilidade, se não for apoiada pela purificação astral, pela caridade, pelo silêncio, e pela purificação espiritual, procurando não pensar ou falar mal das pessoas ausentes. Lembrar-se sempre que a oração, que dá a paz no coração, é preferível a qualquer tipo de magia, que só cria o orgulho.

Que o estudante medite esses conselhos e que não faça nenhum ato importante sem rogar o apoio do céu. Verá mais tarde que estávamos certos ao preveni-lo desde o início.

PAPUS. Tratado de Ciências Ocultas – Volume 2