A Rosacruz e seu papel superior e independente

Bem tratou Krumm Heller quando disse que a Rosa Cruz surgiu quando surgiu o homem na Terra, e que pouco importa a sua origem histórica. Assim apesar de uma origem em século 17, ou manifestação pública, fato é que não menos importantes são as manifestações de Ordens do século 19, através de suas ordens externas. Diferente da Maçonaria, a Rosacruz não teve Landmarks, e nem as constituições que se veem nessa ordem. As fraternidades citadas aqui são reconhecidas e respeitáveis, sendo que nenhuma delas tem algo que destoe da finalidade Rosacruz, mesmo não cumprindo ipsis literis o que disseram partes de antigos Manifestos, mas todas cumprindo as principais regras destes.

Segundo Frater Vicente Velado: “Como toda instituição terrestre, sujeita às inflexíveis leis da Entropia e da Evolução, a Ordem Rosacruz, através de suas numerosas Organizações que afiliam, instruem e iniciam - como a Golden Dawn, a The Rosicrucian Fellowship, a Fraternitas Rosae Crucis (FRC), a AMORC, a Fraternitas Rosicruciana Antiqua (FRA), a Lectorium Rosaecrucianum, a Confraternitatis Rosae Crucis (CR+C) e várias outras, sofre o impacto das imperfeições da natureza humana. (...). Quando alguma dessas Organizações cresce muito e se vê, por questões de expansão, forçada a funcionar como empresa, surge o dilema de se tornar uma finalidade em si mesma (condição de Max Heindel (1) condena veementemente) e ao mesmo tempo continuar sendo o repositório de ensinamentos que levam ao contrário dessa prática, no fundo e em última análise essencialmente consumista. Ora, seria simplesmente inconcebível que o Rosacrucianismo se tornasse também um produto de consumo a mais nessa moderna sociedade que tem seus verdadeiros templos nos shopping centers. Na sociedade de consumo tudo é um produto e tudo é uma troca - e isso inclui a religião e a própria figura de Deus, tal como é compreendido atualmente: um Pai a quem se roga e a quem se adora e que, em troca, abençoa com benesses. Esse não é de forma alguma o Deus dos Rosacruzes. O Deus dos Rosacruzes é uma forma abstrata, totalmente isenta de predicados humanos, à qual a individualidade do Adepto humano se adapta, no processo de santificação da mente, pelo Antigo Método. Os Rosacruzes dos Graus Superiores, aqueles que verdadeiramente estão no Círculo Interno de suas respectivas Ordens e/ou Fraternidades sabem do que se trata”1.

Assim não há que se falar em uma política restritiva ou dogmática do que vem a ser a “verdadeira” Ordem Rosacruz, quando essa seria a Eterna e Invisível. Também de acordo com a evolução dos tempos, não se pode exigir das ordens concepções comuns no século 17, quando hoje estariam longe de nossa concepção ou realidade. Os Graus Superiores que tratam do que seria essa senda, mas estão como lembrou Velado, no Círculo Interno das Ordens. E essas ordens não são Shoppings, e isso bem sabia esse irmão. Nenhuma dessas tem qualquer objetivo de enriquecimento, e quando muito há no máximo doações para cobrir uma correspondência, o que seria mais que razoável.

">logocrossSOBRE A ALQUIMIA

Sobre a alquimia, está escrito no Fama Fraternitatis:

“Assim afirmamos as palavras de nosso bem- amado Pai C.R.C. : PHY: AURUM NICI QUANTUM AURUM.( Irra! Ouro, nada mais do que ouro!) Aquele a cujos olhos toda a natureza se revela não se deleita por poder fabricar ouro e domesticar demônios, mas segundo as palavras de cristo: se alegra por contemplar o céu abrir-se, os anjos do Senhor subir e descer, e seu nome inscrito no Livro da Vida”.

Pensando-se em ALQUIMIA espiritual, todas as ordens presentes mesmo hoje cumprem esse papel. Da alquimia material ou de metais mesmo, talvez poucas cumpram, mas deve haver irmãos que o façam mesmo sem os ensinos diretos de suas respectivas afiliações. O objetivo principal não é produzir ouro, mas sim transformar a alma de irmãos através das vicissitudes da matéria, a fim de que busquem a iluminação. Assim estão os Irmão Maiores da Grande Fraternidade Branca, e de modo algum são “casas da moeda” desse mundo ou do que se entende por objetivo profano. Assim estão as regras:

frasymbol

SOBRE A CURA DE ENFERMOS E REGRAS

Capitulo 11 da Confessio:

Sobre as regras da Ordem Rosacruz:

“Seu acordo era o seguinte:
1. - Que nenhum deles deveria fazer nada mais que curar os enfermos e isto gratuitamente.
2. - Que nenhum deles nem os que os seguiam; deveriam jamais usar certa classe de hábito, senão vestir-se segundo o costume do país em que residissem.
3. - Que a cada ano no dia C. deviam reunir-se na casa SANCTUS SPIRITUS, ou justificar por escrito sua ausência.
4. - Que cada Irmão deveria buscar uma pessoa merecedora, que depois de sua morte pudesse substituí-lo.
5. - Que a palavra C.R. devia ser o selo, marca e caráter deles.
6. - A FRATERNIDADE devia permanecer secreta por cem anos”.

Segundo comentário de Silvani: “NOTA: Estes seis itens são as velhas regras dos Rosacruzes. A Rosacruz deve curar livremente. E não só a saúde física, mas especialmente para curar a doença terrível da ignorância. O Sexto Grau do Templo de nossa moderna Ordem Rosacruz AMORC é dedicado a ela.

• Ele mostra o Rosacruz não como um ventilador que pode aparecer na sociedade ou roupas doidas, usando mantos. Simplesmente diz que eles devem se comportar como os habitantes da localidade a que se vão. Eles devem passar despercebidos. Eles devem, naturalmente, serem mostrados sem querer-los a olhar para eles.

• Define a comunhão espiritual dos Irmãos, que deve ser no Espírito, isto é, através elevação espiritual dado que lugar chamado habitação do Espírito Santo, equivalente ao Sanctum Celestial. Temos aqui uma referência direta a contatos especiais na hierarquia, os membros dos Altos Graus de AMORC vão reconhecer.

• Impõe encontrar um herdeiro para a sabedoria adquirida e desenvolvida, para que o trabalho possa ser estendido Rosacruz. Mas note que o sucessor deve ser escolhido pelo antecessor. Não é nem mais nem menos do que aquilo que é conhecido como "cadeia iniciática".

• Depois, há o uso de iniciais como RC marca dos irmãos. Esta prática também é incorporada na AMORC. Membros que tenham atingido um certo grau, a ser identificados pelas letras F.R.C. Eles querem dizer "Frater Rosae Crucis". A necessidade de permanecer em silêncio durante 100 anos, tem a ver com a noção de actividade do restante ciclo, publicidade e silêncio.

• Também é importante observar a Lei do Triângulo no sentido da fraternidade, expressando sempre a C.R.C. Fr. Ele foi ajudado por dois irmãos.”2. Todas as ordens RC têm um método de cura, ou de cura metafísica. Pode ser até de autocura. Deste modo, há sempre o cumprimento disso que foi tratado no manifesto, e não há de se falar em vácuo nesse sentido. Algumas ordens dedicam um grau específico ao tema, até.

Novamente Confessio:

Após cinco anos, tornou a aspirar a reforma nas artes e nas ciências. Duvidando da possibilidade de qualquer outra ajuda e de qualquer outro apoio, de espírito assíduo, pronto e perseverante, ele decidiu empreendê-la por sua conta, na companhia de um pequeno número de adjuntos e colaboradores. Para lograr este fim convidou três Irmãos de seu antigo convento (que ele amava tanto); o Irmão G.V., o Irmão J.A. e o Irmão J.O. cujos conhecimentos, ultrapassavam o saber daquela época. Tais Irmãos prestaram um juramento supremo de fidelidade, diligência e silêncio, rogando-lhes que registrassem cuidadosamente por escrito todas as instruções que lhes transmitisse, a fim de que os futuros membros, cuja admissão deveria efetuar-se depois graças a uma revelação particular, não se equivocassem a respeito de um iota sequer.

Falando Silvani3, sobre a idade de CRC: “NOTA: chave numerológica para o presente número leva à idade de 27 anos. Lembre-se C.R.C. Eu tinha 22 anos, símbolo da plenitude da Kabbalah, com seus vinte e dois Caminhos da Sabedoria. Durante cinco anos, ele meditou sobre a base da organização para ser encontrado. Aos 27 anos, ele chamou seus amigos para realizar a Grande Obra. E 27 é o cubo 3, ou seja 3 x 3 x 3. C.R.C. Ele chama três irmãos que, juntamente com ele, dão quatro bases cúbicas ou fundação de pedra da Fraternidade dos Rosacruzes”4. Aqui Silvani mostra a importância da cabala, que se algumas ordens não estudam diretamente, o fazem indiretamente, através de sua ontologia. Não raro até astrologia estudada em alguns grupos pode ter paralelo com a cabala, não perdendo em informação. Mesmo porque a cabala pode ser estudada de forma complementar, em livros. Fato é que existe livro da AMORC sobre Cabala, existe material da CR+C, da Aurora Dourada, bem como outras. Sempre os irmãos encontrarão a fonte da sabedoria, estejam em qual dessas todas estiverem. Não precisa se voltar ao século 17 também.

Conferencia

SOBRE SER OU NÃO CRISTÃ

A Rosacruz é uma fraternidade. Como tal, une pessoas de diferentes credos e raças, mesmo aceitando as mulheres em seu meio. Na verdade, a maior parte de integrantes são mulheres. Ademais, a noção de Cristo é do Cósmico e do Interno, então o cristianismo rosacruz difere um pouco daqueles de religiões. Como óbvio, respeita todas as visões e é tolerante, não sendo isso algoi que impeça uma organização Rosacruz de ser ou não verdadeira. Assim há inclusive incentivo a se ler a Bíblia, mas não uma obrigação, nem das organizações serem cristãs.

Desta forma, sobre o capítulo de Confessio sobre a Bíblia: “No entanto, não devemos deixar de exortar todos a ler a Bíblia e permanentemente aplicada, apesar das barreiras e obstáculos que ainda se levantam diante dos nossos projectos algumas penas de águia. Que você sabe satiseito com ele amplamente conhecida para livrar de obstáculos a estrada que leva a nossa Fraternidade.

• NOTA de Silvani5: Você é incentivado a ler a Bíblia como uma porta de entrada para a Fraternidade. Esses manifestos são decididamente judaico cristãos. Nos parágrafos seguintes, o estudo das Escrituras é proposto como um meio para alcançar a graça divina. Ele disse mais tarde que quem entende a Bíblia, está muito perto de Deus”.

Por fim, percebe-se que a Rosacruz nunca foi muito presa a regras dogmáticas, e que sempre tentou se atualizar e expandir horizontes, tendo organizações e ordens externas confiáveis, não necessitando de mais do que a centenária tradição e pelas suas obras para provar sua capacidade. Assim, a conhecerá pelas obras.

Fontes

HELLER, A. Krumm. Las ensenansas de la Fraternidad Rosa Cruz. Málaga: Sírio, 1987.

SILVANI, Alejandro. Fama Fraternitatis com notas. Buenos Aires, 2011.

SILVANI, Alejandro. La Confessio Fraternitatis com notas. Buenos Aires, 2011.

VELADO, Vicente. Deus e o homem. Disponível na Internet.

Publicado em Categorias Mysterium Soltys, Rosacrucianismo

Sobre Frater Soltys

Sou Mariano Soltys, escritor e advogado residente em São Bento do Sul, Santa Catarina, com 30 livros publicados, sobre autoajuda, sociedades secretas, religião, linguagem corporal, psicologia e filosofia, com tom místico. Escrevo também poesias e busco um aprofundamento nos versos. Membro da ALB/ Araraquara e da Academia Paranocatarinense de Letras, cadeira 39, bem como da USBE (União São-Bentense de escritores). Conselheiro de Cultura e apoiador cultural, em projetos de novos escritores. Ou seja, possuo 33 livros e mais ainda sairão brevemente.

4 comentários sobre “A Rosacruz e seu papel superior e independente

  1. Acauã Silva

    Percebo que muitos procuram no Rosacrucianismo uma forma de fazer prodígios mágicos. E para não perderem membros muitas ordens passam essa imagem. Sendo o Rosacrucianismo, para mim, uma forma nova de religiosidade, muito mais profunda e verdadeira do que aquela encontrada nas igrejas.

    Responder
    1. Frater Soltys

      Principalmente se vermos aquelas ordens que têm uma igreja gnóstica, ou mesmo algum grupo a mais, que estuda misticismo cristão. A espiritualidade acaba ampliando a religiosidade.

      Responder

Deixe uma resposta